sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Cidades de Reikland



Reikland orgulha-se de ser uma das mais populosas e civilizadas das grandes províncias do Império. No entanto, grandes áreas do reino ainda são selvagens, cobertas pela floresta e intocadas pela mão humana. Embora essas florestas sejam relativamente seguras quando comparadas com os extraordinários perigos encontrados nas grandes florestas em outras partes do Império, os cantos mais escuros do Reikwald ainda abrigam todos os tipos de criaturas terríveis.

Assim, mesmo após dois mil e quinhentos anos de expansão, a maioria dos assentamentos de Reikland são encontrados ao longo do Reik são conectados por rios e nem sempre por estrada. É somente ao sul da Vorbergland,que os assentamentos rurais se espalham livremente, conectados por estradas bem mantidas mas nem sempre tão seguras.


Altdorf e as outras cidades
Dizem que todas as estradas e rios levam a Altdorf, a maior e mais rica cidade do Império, mas há muitos outros lugares interessantes para visitar além das altas muralhas brancas da cidade. Numerosas cidades, grandes e pequenas, podem ser encontradas em toda Reikland, a maioria atuando como centros de comércio ou manufatura. Um número crescente desses florescentes centros de comércio também tem o status de "Cidade Livre", o que significa que elas são "livres": com pessoas licenciadas para se governar, geralmente através de um conselho de burgomestres com pouca ou nenhuma interferência das casas nobres locais,as mas ainda assim devendo certo respeito ao imperador.


Altdorf

O imperador Karl-Franz I detém tribunal em Altdorf, a capital de Reikland e do Império como um todo. A cidade ergue-se orgulhosamente na confluência dos poderosos rios Reik e Talabec, bem como no final de muitas das principais rotas comerciais, e é facilmente a cidade mais rica do Império. Isso garante que está sempre se expandindo e renovando, com esperanças frescas e de olhos arregalados chegando diariamente, assim como projetos para novas pontes, prédios e maravilhas da engenharia apresentadas semanalmente aos burgomestres da cidade..

Hoje, Altdorf é uma cidade de pontes a vapor, ilhas incompatíveis, enormes cortiços e hordas de pessoas aparentemente intermináveis: não se pode atravessar suas ruas tortas sem se topar intimamente com completos estranhos. A Cidade atrai comerciantes e diplomatas de todo o mundo conhecido, é também surpreendentemente cosmopolita; não só pessoas de todos os níveis, espécies, credos e origens se movimentam livremente, mas até magos são uma visão comum, raramente recebendo uma hostilidade, um olhar desconfiado ou uma reclamação murmurada.

A Cidade possui um populoso bairro Elfico que prospera perto do porto de Reiksport, fundado por príncipes mercantes altos elfos há mais de um século. A velha aliança entre o Império e os Anões já existia desde a época de Sigmar e assegura que muitos clãs anões também residem em comunidades unidas, alguns tendo trabalhado na construção da cidade por incalculáveis ​​gerações, embora suas naturezas teimosas os impeçam de chamar Altdorf de lar. Há até mesmo uma população saudável de Halflings, com a maioria ganhando suas vidas servindo boa comida e deliciosas cervejas nas pousadas de Altdorf, muitas das quais são protegidas por grupos mercenários muito bem pagos. Outro lugar de destaque é Zoológico Imperial, que possui uma infinidade de monstros e animais incrivel, incluindo a Abominação de Stirland e a Gibberbeast de Drakwald, cada uma engaiolada e exibida para diversão de todos.

Esta população enorme e variada ajuda a garantir alguns dos traços mais notórios de Altdorf: uma cidade infame, fedorenta, conhecida afetuosamente como "A Capital do Fedor". Durante os meses quentes de verão, o fedor vindo dos Charcos de Altdorf cresce tanto que muitos dos cidadãos mais ricos da cidade fogem para as fazendas do interior ou para os suntuosos palácios de Grenstadt ao sul.

O fedor sempre presente faz pouco para aliviar os cidadãos de Altdorf, uma multidão conhecida por ser excepcionalmente vocal e propensa a tumultos em qualquer ligeira imaginação, especialmente se envolver novos impostos. Mesmo ações aparentemente triviais dos burgueses e nobres locais podem ganhar sua ira; mas o fato de muitos de seus protestos serem inteiramente justos não diminui o fervor da coroa em reprimir qualquer rixa rebelde que possa tomar as ruas. Altdorf também é um renomado centro de aprendizado. Os filhos e filhas de famílias ricas matriculam-se na Universidade de Altdorf, muitas vezes com pouca atenção à capacidade acadêmica; aqueles com potencial acadêmico, mas sem o poder financeiro para igualá-lo, muitas vezes encontram o caminho para o Alto Templo de Verena, pois a Deusa da Sabedoria sempre tem espaço para aqueles abençoados com o intelecto. A famosa Escola Imperial de Engenharia - fundada pelo gênio, Leonardo de Tilean - também fica dentro das muralhas de Altdorf. Aqui, algumas das almas mais corajosas e mais imprudentes do Império inventam métodos novos e criativos para chover fogo e morte sobre os inimigos da humanidade. A escola foi reconstruída mais de uma dúzia de vezes desde que foi fundada, o que não é nenhuma surpresa.

Indiscutivelmente a instituição educacional mais importante em Altdorf é também a mais misteriosa: a Faculdade de Magia. Fundada há mais de dois séculos, a mando do imperador Magnus, o Piedoso, as faculdades mágicas são guiadas pelos princípios e preceitos do lendário mestre do lendário Teclis. As faculdades são encarregadas de treinar magicamente talentosos cidadãos para canalizar seus talentos arcanos e usa-los na defesa do Império. Rumores da influência distorcida das potentes energias mágicas reunidas por tantos magos que vivem em tão próximos persistem; supostamente, as próprias ruas da capital foram distorcidas, e acredita-se que certos edifícios universitários estejam escondidos de todos, exceto daqueles poucos abençoados - ou amaldiçoados - com percepção superior, mas poucos acreditam em tal conversa.

Altdorf é também o coração pulsante do Culto de Sigmar. Mais de dois mil e quinhentos anos atrás, Sigmar nasceu, cresceu e acabou sendo coroado como primeiro imperador dentro dos limites da moderna Altdorf, e graças a isso, a cidade agora possui mais templos Sigmaristas e locais sagrados do que todas as outras cidades do Império combinadas.





Auerswald
A animada cidade de Auerswald nasce nas confluências dos rios Teufel, Tranig e Ober, por isso está em uma das mais movimentadas - e, portanto, melhor patrulhadas - rotas comerciais do Reikland. O povo de Auerswald tende a ser forte e determinado, mas seu charme e sua famosa sagacidade garantem a eles uma fama de gananciosos.

O conde, Ferdinand von Wallenstein, deixa a gestão de Auerswald para um conselho de burgomestres, preferindo de longe seus luxuosos palácios em Altdorf e Nuln a sujar as mãos com o governo. Seu grisalho tio, Lorde Adelbert von Wallenstein, é capitão de um pequeno grupo de cavaleiros errantes, que passa a maior parte de seus dias caçando goblins e bandidos em Reikwald, a leste da cidade.

Grande parte de Auerswald é construída sobre palafitas grossas sobre a planície inundada do rio Teufel, que é frequentemente inundada. Conectados por um labirinto desconcertante de rampas, pontes e escadas de corda, os estranhos podem facilmente se perder. Mais de um descuidado caiu em uma morte enlameada depois de se entregar às tabernas locais. Nos últimos anos, surgiram rumores sobre uma gangue organizada de chantagistas e trapaceiros que operam na cidade, embora nenhuma testemunha tenha vivido tempo suficiente para testemunhar sua existência.
 

Bögenhafen
A maior e mais próspera de todas as cidades mercantil de Vorbergland, Bögenhafen fica no coração do Reikland e serve como o cruzamento da grande província. Deitada equidistante entre as capitais de Altdorf e Monfort, é uma parada crucial na principal rota comercial entre o Império e a Bretonnia. Bens da Bretonnia e dos quatro cantos do Império são comercializados aqui por madeira local, lã e metais enviados das Montanhas Cinzentas. Bögenhafen está localizada no ducado de Graf Wilhelm von Saponatheim, mas ele está bastante contente em deixar a cidade ser administrada por um conselho local - cujos membros são dominados por membros da Corporação dos Mercadores locais, bem como por representantes da Guilda de Comerciantes - contanto que eles mantenham o dinheiro fluindo em chegando ao seu bolso. Como as mercadorias que chegam do norte são transferidas de vagões para barcos em Bögenhafen, a cidade está sempre bem abastecida e com armazéns cheios até a borda de vinhos finos e queijos caros e perfumados.

 
Diesdorf
Uma das muitas cidades situadas no rio Reik, entre Altdorf e Nuln, Diesdorf e suas aldeias vizinhas, são dedicadas à produção de milho, que é principalmente comercializado com a disnte capital. A dependência da cidade em cada safra significa que uma praga causaria a morte do milho, e a da própria cidade. No entanto, aqueles que visitam Diesdorf podem concluir que seu principal produto de exportação é, na verdade, o fervor religioso. Magnus, o Piedoso, uma vez fez um discurso poderoso na cidade e pessoas viajaram de toda parte do imperio para ouvi-lo.

Desde então, Diesdorf tornou-se um importante local de peregrinação para os Sigmaritas devotos e, nos dias santos, a população da cidade é frequentemente duplicada. Apesar de seu tamanho relativamente pequeno, Diesdorf tem numerosos templos e santuários para Sigmar, e a maioria das famílias na cidade tem pelo menos um membro servindo no clero Sigmarita.
 
Dunkleberg
Mais ao sul dos principais centros comerciais de Reikland, esta cidade mercantil de Dunkelberg que se estende por várias colinas ao longo das margens do rio Grissen. As porções mais antigas e mais ricas da cidade ficam no alto das colinas, dando aos nobres e à crescente classe de comerciantes ricos  uma visão dominante da paisagem circundante. Apesar de seu tamanho cada vez maior, os viajantes notam a sensação "rústica" de Dunkelberg, com os mercados regulares entupindo suas ruas sinuosas. Lá as pessoas podem comprar gado; produção local; vários vinhos excelentes e frutados produzidos pelas aldeias vizinhas; e produtos artesanais de todo o Suden Vorbergland. Amplos campos de branqueamento estendem-se da cidade, onde o linho local é tingido de branco pelo sol ao redor das plantações. A posição de Dunkelberg perto das iminentes Montanhas Cinzentas e da floresta selvagem de Graugrissen faz com que ocorram frequentes ataques de tribos Goblin. Enquanto as partes mais ricas da cidade são bem fortificadas e protegidas por uma alta muralha de pedra, o restante não tem defesas significativas. Como tal, os cidadãos mais pobres aprenderam a não se apegar demais a seus lares, pertences ou entes queridos.

 

Eilhart
Conhecidos e celebrados pelos amantes de vinho em todo o Velho Mundo, os vinhedos em torno de Eilhart produzem as uvas mais suculentas e, portanto, o vinho, que compartilha seu nome. Eilhart é amplamente considerado um dos melhores vinhos brancos do Reikland, valorizado não só pelo seu sabor leve e fresco, mas também por suas ressacas famosas que não pioram, não importando o quanto foi bebido na noite anterior, ou assim alegam Eilharters. Recentemente, Eilhart tornou-se famosa por suas cervejas afiadas e ácidas que usam lúpulos aromáticos e grãos locais. Dada a excelente qualidade de suas bebidas alcoólicas, Eilhart tornou-se um destino popular para cruzeiros fluviais, onde ricos e nobres viajam para a cidade para provar as bebidas das cervejarias e vinhedos locais. Alguns afirmam que o alto número de Bretonnianos em visita - atraídos pelo excelente vinho - pode explicar o recente entusiasmo dos locais pela cerveja.

 
Grunburg
A menor das grandes cidades comerciais, Grünburg não é estranha para o comércio de mercadorias com destino ao Reik, mas é na fabricação de barcos que Grünburg realmente se destaca. Os estaleiros navais da cidade estão em constante operação, produzindo as barcaças que mantêm o comércio de Reikland à tona. Os campos abertos ao sudeste de Grünburg parecem verdejantes e pacíficos, mas são conhecidos localmente como as Planícies de Batalha. Foi aqui, há muito tempo atrás, que o impiedoso avanço do temido Lorde Orc Gorbad Ironclaw foi finalmente parado. Exclusivo na história militar imperial, a batalha de Grünburg foi composta por tropas montadas em ambos os lados. Essa peculiaridade da história fez das planícies de batalha um local de interesse para arqueólogos, antiquários e ladrões de túmulos, todos interessados ​​em escavar detritos debaixo da terra encharcada de sangue.

 
Holthusen
Aninhado ao longo do rio Schilder, Holthusen é um ponto importante na rota comercial entre Eilhart e Marienburg. A cidade lida principalmente com vinho e cerveja e com os barris em que estão armazenados. Os tanoeiros de Holthusen são justamente renomados por seus barris robustos, o mais famoso é Holishusen Hogshead, supostamente robusto o suficiente para resistir a um canhão direto, enquanto deixa a bebida preciosa intacta. A maioria dos viticultores e cervejeiros de Vorbergland ocidental usam barris de Holthusen; de fato, muitos envelhecem seu estoque aqui em armazéns especializados afundados no chão para mantê-los frescos. Holthusen é cercado por vários anéis de altas paliçadas e o povo da cidade está sempre no limite, pois bandidos se atrevem a saquear a cidade as vezes, assim como homens fera que vivem nas profundezas de Reikwald atacam sem aviso antes de voltar para a floresta. Muitos cidadãos acreditam que as criaturas têm uma insaciável sede de vinho, embora alguns temam que o sangue seja a sua escolha favorita. Seja qual for o caso, a cidade passou a deixar barris de vinho barato na periferia da floresta, na esperança de que os animais recebam suas ofertas e partam em paz. É claro que, se algum caçador de bruxas ouve esta história, provavelmente haverá um acerto de contas…

 
Kemperbad
Uma cidade antiga com uma história longa e complicada, o Grande Freistadt de Kemperbad é conhecido e celebrado por produzir o melhor brandy em Reikland. Embora parte de Reikland, Kemperbad fica na margem oriental do Reik; Historicamente, a cidade tem sido disputada e governada por nobres de Talabecland, Stirland e Reikland, mudando de mãos através de uma série de casamentos, tratados e guerras. Desde que ganhou uma carta que lhe dava o direito de se autogovernar em 1066 IC de Boris Goldgather, Kemberbad foi liderada por um conselho local. Sua localização privilegiada no rio, juntamente com a capacidade de impor e manter seus próprios impostos, tornou a cidade realmente muito rica. Por causa disso, os mercadores de Kemperbad são ostensivamente lendários, vestindo trajes tão espalhafatosos que envergonham um pavão, e são caros o bastante para mendigar pessoas de meios mais modestos. Sem surpresa, a nobreza vizinha observa os cofres de Kemperbad com olhos invejosos, e alguns enviam agentes para desestabilizar a cidade
.
  

Schädelheim
Sentado perto do Pântano Grootscher, na confluência do rio Mos com o Reik, Schädelheim aproveita ao máximo sua lucrativa posição na rota comercial entre Marienburg e Altdorf, ostentando um grande número de pousadas e ancoradouros para a passagem de navios e barcaças. Ferries aqui regularmente transportam os viajantes de um lado para o outro em ambos os rios, e é um centro para as comunidades díspares dos pântanos próximos.

Logo ao sul do centro da cidade, encontra-se um antigo templo dedicado a Morr, o deus da morte. O grande edifício em ruínas presidiu a Schädelheim desde a sua infância, possivelmente até mesmo antes da fundação da cidade. Por causa disso, muitos dos habitantes locais têm uma afinidade especialmente forte com Morr, uma situação raramente vista no Império fora de Ostermark. Isso é algo que os Sigmaritas locais estão dispostos a corrigir.
 

Schilderheim
Orgulhando-se da confluência dos rios Schilder e Reik, Schilderheim é uma das cidades comerciais mais importantes de Reikland. É também o lar de uma variedade de aves selvagens surpreendentemente diversificada, especialmente aves pernaltas. O mais notável é o guindaste vermelho, um pássaro sedentário encontrado predominantemente no rio Reik, conhecido por usar pedras pesadas para rachar amêijoas. Embora já seja uma cidade próspera, a Guilda Mercante e os burgomestres de Schilderheim têm aspirações mais grandiosas, olhando para a riqueza de Altdorf e Marienburg com inveja. Querendo seu pedaço dessa torta, a guilda de estivadores local recentemente elevou seus preços, um movimento altamente impopular que trouxe muita insatisfação, algumas das quais se espalharam pelas ruas. Para evitar essa taxa extra, um número de comerciantes ocasionalmente procurou contornar os estivadores por completo, conduzindo seus negócios no próprio rio, trocando não apenas ações, mas barcaças inteiras. Casas mercantis ligadas a essa prática encontraram recentemente embarcações danificadas, armazéns invadidos e barcaças afundadas; é claro, os estivadores afirmam que não tem nada a ver com seus membros honoráveis. A Guilda Mercante, por sua vez, está disposta a pagar muito dinheiro a qualquer um que possa provar quem é o culpado.

 
Stimmigen
A ponte principal sobre o rio Ober, juntamente com o acesso ao sistema de canais de Vorbergland, garante uma grande quantidade de rotas comerciais através da Stimmigen a caminho de Ubersreik, tornando-a uma das cidades mais movimentadas do mercado em Suden Vorbergland. É amplamente famosa por seus exuberantes pomares e é a fonte da maçã mais conhecida de Reikland, a doce e azeda Ernwald. O Ernwald só floresce nos arredores de Stimmigen, mostrando-se resistente às tentativas de cultivá-lo em outras partes do Império. Além de curiosos horticultores e fazendeiros invejosos, o Ernwald atraiu uma população significativa de Halfling para a região, cujas deliciosas tortas de maçã, doces e pudins - sem mencionar a sidra - podem ser encontradas na maioria das pousadas locais durante todo o ano, especialmente durante Semana da torta no início do outono. Este festival Halfling é celebrado por todos em Stimmigen, uma oportunidade para ricos e pobres desfrutarem de degustações e competições alimentares, e geralmente se empanturram de todos os tipos de doces e assados.

 
Ubersreik
A cidade de Ubersreik está situada perto do caminho da Dama Cinzenta, uma das duas únicas passagens principais sobre as Montanhas Cinzentas que leva até a Bretonnia. Por causa disso, a cidade vê regularmente comerciantes viajantes de todo o Velho Mundo. A poderosa fortaleza conhecida como a Rocha Negra está conectada às muralhas da cidade, caso os viajantes não sejam bem-vindos e tentem a entrada. Ubersreik teve uma longa associação com os clãs anões nas Montanhas Cinzentas, e em uma situação única em Ubersreik, representantes da população anã da cidade sentam-se no conselho da cidade. Um dos edifícios mais famosos de Ubersreik, sua espetacular ponte sobre o rio Teufel, foi construído por anões durante a época de Magnus, o Piedoso. Considerado como um dos mais impressionantes feitos de engenharia a ser encontrado no Reikland, ele conecta a estrada comercial que vai de Bögenhafen a Dunkelberg e depois a Nuln. Ubersreik possui comércio de todos os tipos, mas é mais conhecida pelo minério e pelos metaleiros anões.

 

Weissbruck
Originalmente pouco mais do que uma das muitas pequenas aldeias de pescadores ao longo do rio Bögen, Weissbruck cresceu rapidamente no século passado em um movimentado porto de mercadorias e viajantes que se deslocam entre Bögenhafen e Altdorf. A mudança na sorte de Weissbruck deve-se a seus astutos governantes, os Grubers, que decidiram capitalizar os ricos depósitos de carvão e ferro encontrados nas montanhas Skaag. Esse pronto suprimento de recursos tão necessários permitiu aos Grubers, com a permissão e a parceria do Príncipe de Altdorf, contratar engenheiros anões para construir um canal em 2462 IC, o que acelerou rapidamente o crescimento da cidade, trazendo consigo todos os tipos de cidadãos. Embora a produção das minas tenha diminuído nos últimos anos, o comércio aumentou constantemente. Apesar das riquezas de seus governantes, Weissbruck mantém algo do caráter de uma típica cidade mineira; grandes mineradores e trabalhadores portuários garantem um clima desconfortável, e a ameaça de violência sempre está no ar. À medida que a produção das minas diminuiu, mais e mais mineiros desceram dos montes Skaag, uma força de trabalho crescente, agitada e desempregada, com pouco a fazer além de beber , falar bobagens e fazer caretas para estranhos.

 
Wheburg
Wheburg é a primeira cidade encontrada depois de deixar as Montanhas Cinzentas na estrada de Helmgart para Bögenhafen. Sua proximidade com a fortaleza de Helmgart garante que as tropas passem regularmente, e a cidade oferece um quartel considerável para visitar os soldados. Tendo sobrevivido ao clima extremo das montanhas - para não mencionar os exércitos devastadores de Orcs e Goblins, e os monstros em potencial empoleirados
nas proximidades do Drachenberg  - a maioria dos visitantes chega a Wheburg com um forte desejo de celebrar a vida. Para acomodar essa necessidade, Wheburg tornou-se famoso por sua hospitalidade, e seus habitantes locais são amplamente considerados como os mais amigáveis ​​de Reikland - por um certo preço. As ruas estão repletas de tavernas, estalagens e antros de jogos de azar, para não mencionar alguns estabelecimentos menos salubres, onde todos os prazeres da carne são fornecidos, e substâncias ilícitas podem ser compradas. Embora brigas e pequenos crimes sejam comuns, as coisas raramente ficam muito descontroladas, dado o número significativo de soldados geralmente à disposição para dispersar quaisquer foliões desordeiros (exceto, é claro, quando esses foliões são, eles mesmos, soldados de folga). Passar um tempo em Wheburg antes do casamento tornou-se uma espécie de rito de passagem para os Reiklanders, e é comum ouvir homens e mulheres gritando "o que acontece em Wheburg, fica em Wheburg!".



Bases e Fortes

A fronteira sul do Reikland é dominada pelas Montanhas Cinzentas, que são, por sua vez, dominadas por uma série de fortalezas, construídas e reconstruídas para defender o imperio contra os Trolls da Montanha, os Peles Verdes e os mortos inquietos, sem mencionar o reino vizinho da Bretonnia. O Rio Reik está igualmente coberto de baluartes para atacar, mas a maioria é relíquias pétreas do passado, quando Reikland guerreava com as outras grandes províncias e com ele mesmo. Apenas fortalezas estratégicas agora permanecem, facilmente superadas em número por castelos caídos em desuso, sua antiga força e passado célebre quase esquecidos, assim como suas pedras em ruínas se perdem no tempo e na decadência.

 

Torre da Pedra Negra
A Mordida do Machado e a Passagem da Dama Cinzenta são as rotas mais conhecidas sobre as Montanhas Cinzentas, mas não são as únicas maneiras de atravessar. O Corredor Crooked é um desfiladeiro estreito através das montanhas não muito longe da fronteira com o Wasteland. É inútil para a maioria dos mercadores, sendo demasiado apertado para carroças ou cavalos, e perigoso por conta das beiras de penhascos íngremes, significando que o menor deslize de um pé poderia levar a um final dolorosamente inglório. Completamente intransitável no inverno e perigosa em todos os outros momentos, o Corredor Crooked era conhecido apenas por pastores de cabras e contrabandistas até que uma série de ataques de Peles Verdes levou a passagem à receber atenção das autoridades. Várias décadas atrás, o Imperador Mattheus II ordenou a construção de uma fortaleza para vigiar o Corredor Crooked após repetidas invasões. Nove anos depois, a Torre da Pedra Negra foi concluída, tirando seu nome da pedra escura localmente extraída que forma suas paredes e da lousa que cobre suas torres.

Sua posição acima do Corredor tortuoso oferecia aos franco-atiradores do Imperador uma excelente posição a partir usar suas habilidades letais; no entanto, seu status como bastião do Reiklander foi de curta duração. Uma supervisão no estágio de planejamento resultou na construção da torre em terras reivindicadas pelos anões de Karak Ziflin. Não querendo perturbar os anões, o imperador cedeu a torre, para grande aborrecimento do Capitão de Geetburg, que ajudou a financiá-la.

Hoje, os anões "generosamente" permitem que uma pequena tropa permaneça na Torre da Pedra Negra, uma estrutura amplamente reconstruída. Com os Reiklanders se irritando com a liderança dos Anões, e os Anões constantemente diminuindo as patentes humanas, a Torre é um amontoado de queixas e ressentimentos, gerando uma atmosfera tensa - e alguns diriam insustentável.
 

Mansão Steirlich
Nas encostas do sul dos Hägercrybs, no Ducado de Grauwerk, encontra-se uma mansão fortificada sobre uma cordilheira varrida pelo vento. A mansão é antiga, uma propriedade da família von Bruner, e atualmente governada por Graf Steirlich: tanto o Graf quanto sua imponente mansão foram nomeados por um famoso antepassado que foi presenteado com a terra pelo imperador Mandred Ratslayer em 1138 IC. O Graf tem olhos ambicioso, com um traço cruel como o Reik. Ele é bem visto em meio aos pequenos povoados por sua determinação de erradicar bandidos e caçar outras ameaças que ousariam invadir sua propriedade. De fato, há sussurros de que ele pode estar um pouco disposto demais a investigar ocorrências não naturais, pois rumores obscuros de corrupção rondam os descendentes da linha de von Bruner. Certamente, o sombrio e bonito Graf está sempre à procura de pessoas de coração forte e hábeis em combate para ajudá-lo a manter a paz, por isso poucos transmitem seus medos em voz alta.

 
Helmgart
Situado no alto das Montanhas Cinzentas, a cidade fortaleza de Helmgart guarda a fronteira com Bretonnia do lado leste da Passagem Mordida do Machado. As relações do Império com a Bretonnia nem sempre foram civis, e embora as muralhas de Helmgart não estejam mais alinhadas com crânios envelhecidos em elmos elaborados, eles provavelmente permanecem nas adegas do castelo. Hoje em dia, os soldados de Helmgart tem a função de patrulhar a passagem, protegendo viajantes e comerciantes de Peles Verdes, bandidos e outras ameaças. A fortaleza de Helmgart foi esculpida diretamente da montanha por anões há muito tempo. Três fileiras de robustas paredes de pedra sustentam uma grande montanha de granito, dominando o terreno circundante e oferecendo uma excelente vista da estrada abaixo. Adjacente ao Helmgart propriamente dito, há um enorme e imponente muro possuindo um único e longo túnel entre as duas montanhas: o único caminho até Bretonnia. Entre as tropas que guarnecem a fortaleza, há vários regimentos célebres. Mais notoriamente, os artilheiros de Mackensen - um Regimento Estadual de Reiklander - são bem conhecidos por sua precisão mortal, uma reputação assustadora talvez ajudada pela falta de cobertura na estrada abaixo dos altos muros. A fortaleza fica em uma extremidade da grande estrada que leva diretamente a Bögenhafen, e de lá para Altdorf. Como guardião da principal rota comercial entre o Império e a Bretonnia, Helmgart é igual em partes sendo uma cidadela de guerra e um porto comercial. Aqui, os comerciantes Bretonnianos trocam conhaque, vinho, tecidos finos, armas e armaduras, enquanto seus colegas da Reiklander, por sua vez, canalizam as mercadorias de sua província para o sul. Os clãs anões locais também negociam lingotes de prata, chumbo e ferro, juntamente com peças preciosas de metalurgia trabalhada por anões. Com tantos comerciantes, a praça comercial de Helmgart é um lugar movimentado, repleto de oportunidades infinitas e ladrões incontáveis.

 
A Pedra
Elevando-se sobre uma das muitas ilhas do Reik, o enorme premonitório conhecido simplesmente como A Pedra pode ser visto a quilômetros de distância. Um caminho sinuoso serpenteia pela ilhota, desde o pequeno e aparentemente insignificante píer em sua base até as paredes severas da cidadela atarracada que coroava o monte rochoso. Os capitães dão-lhe um amplo espaço quando passam, os mais supersticiosos dentre eles fazem uma oferenda de sal e aço ao avô Reik para salvaguardar sua passagem. Nenhuma bandeira voa sobre as muralhas sinistras, embora o brilho ocasional do capacete de um guarda ateste as tropas que patrulham as muralhas. Desconhecido para a maioria, a Pedra é uma prisão segura contendo criminosos perigosos que, por várias razões políticas sensíveis, não podem simplesmente ser executados. Alguns têm amigos e familiares poderosos, ou são nobres cujos crimes, se publicamente reconhecidos, causariam escândalo e vergonha a Reikland. Outros são reféns políticos, mantidos para garantir o cumprimento de parentes rebeldes. E, claro, alguns simplesmente sabem demais, seus preciosos segredos salvaguardados na Pedra contra sua necessidade futura. Ninguém realmente sabe sobre as condições dentro das paredes da Pedra; ninguém realmente quer perguntar.


Os Vilarejos e Locais Sagrados
Ao longo de Reikland, a maioria das varias aldeias e povoados está agrupada perto de cidades para proteção e comércio. Em comparação, Suden Vorbergland, os assentamentos estão espalhados mais livremente entre as terras agrícolas, pontuando a paisagem a cada poucos quilômetros, confiando na proteção de fortalezas nas montanhas e nos regimentos estaduais das grandes cidades. Devido a uma peculiaridade na lei de Reikland, instalada por Sigmarites há muitos séculos, as aldeias são definidas como qualquer povoado pequeno, incluindo um templo de Sigmar; os povoados, são aquelas sem esse apoio espiritual. Além desses assentamentos menores, Reikland abriga um número incontável de monastérios, abadias, templos e outros locais sagrados. Enquanto a maioria está localizada em locais não muito longe da proteção, alguns exemplos bem fortificados podem ser encontrados nos lugares mais improváveis, muitas vezes por razões religiosas ou históricas, seja nas laterais de uma montanha, nas profundezas de uma floresta, no centro de um lago, ou em um local ainda menos provável.

 
Mosteiro da Palavra Sagrada
Nas profundezas de Reikwald, a oeste de Altdorf, longe de qualquer estrada facilmente atravessada, encontra-se o Mosteiro da Santa Palavra. Este local sagrado é cuidado pela Ordem Sigmarita da Bigorna. A Ordem da Bigorna é responsável por manter as leis que regem o Culto de Sigmar e manter todos os detalhes das práticas do culto. O Mosteiro da Santa Palavra abriga o maior tesouro da ordem: os Testamentos de Sigmar. Recolhidos não muito tempo depois que Sigmar abandonou o trono, os Testamentos são uma reunião das memórias escritas de guerreiros e cidadãos que conheciam Sigmar Heldenhammer antes de ascender à divindade. Considerada a coleção mais precisa das coisas que Sigmar realmente disse e as práticas que ele manteve na vida, os Testamentos são algumas das obras mais sagradas de Reikland. Não é normalmente a prática da Ordem da Bigorna aceitar visitantes, mas o Mosteiro da Santa Palavra não é um mosteiro normal. Penitentes que buscam detalhes sobre as fundações da Lei de Sigmar viajarão através do Império para consultar os monges vestidos de preto e amarelo sobre doutrina. Nobres e comerciantes extremamente ricos que repetidamente demonstraram sua devoção ao Culto de Sigmar, receberão ocasionalmente licença para fazer uma peregrinação ao Mosteiro da Santa Palavra. Enquanto ninguém está autorizado a ler os Testamentos originais, ou mesmo tocá-los, deixar de olhar para uma ou duas das páginas originais é considerado uma honra sagrada além do preço.

 
Rottfurt
Dezenas de assentamentos margeiam o rio Teufel. Rottfurt é um desses assentamentos, cujo nome é mencionado em tom abafado e reverente por estudiosos e magos por todo o Império. Embora principalmente uma aldeia de pastores, produzindo lã e carneiro, Rottfurt também produz um pergaminho de pele de carneiro famoso - e notavelmente caro -: Rottfurt Prateado. O pergaminho possui um leve brilho, absorve bem a tinta e resiste ao desbotamento por muito mais tempo do que outros pergaminhos menores. Por causa disso, as ovelhas pálidas de Rottfurt, de lã espessa, são o orgulho da aldeia e recebem todo o conforto. Alimentam-se da grama luxuriante das Colinas Hammastrats, nas proximidades, e geralmente podem perambular durante o dia. Os pastores contribuem para uma milícia rotativa, encarregada de proteger seus preciosos rebanhos a todo custo. No entanto, ultimamente, o gado está desaparecendo; estranhamento, os que estão em guarda sempre se pegam dormindo, apesar de seus melhores esforços. Ao acordar, outra ovelha desapareceu. O que começou como uma pequena frustração tornou-se uma obsessão para os moradores locais, com tantas teorias selvagens e espetaculares quanto estrelas no céu.

 
Worlin
O pequeno vilarejo de pesca de Wörlin é quase impossível de detectar do rio. O assentamento é cercado por um número de pequenas ilhotas rochosas e promontórios, e é circundado por milhares de árvores curvando-se. Esses "Salgueiros" ocupam as margens do Reik por muitos quilômetros, e parece que ninguém tem interesse em usar sua madeira. Uma grande quantidade de comerciantes passa por Wörlin, mas muito pouco realmente acontece em Wörlin, já que a maioria dos produtos que passam é destinada a mercados mais lucrativos.

 
Zahnstadt 
Após as colinas se tornam estéreis e frias e antes de chegarem às Montanhas Cinzentas, infestadas de Peles Verdes, você pasará por Zahnstadt, que é considerada pelos habitantes locais como a "última aldeia de Vorbergland". Na sombra desses picos, Zahnstadt se esconde ao longo da margem sul do rio Mos, no fundo de um vale escuro, com penhascos sombrios subindo para todos os lados. No verão, o sol só brilha na aldeia por uma ou duas horas ao meio-dia, escondendo-se atrás das falésias ao redor pela manhã, e rastejando atrás das montanhas conforme o dia se alonga. No inverno, não há luz solar direta, bloqueando a aldeia em um ciclo sombrio de crepúsculo e escuridão. Apesar disso, o povo de Zahnstadt é famoso por sua alegria perpétua, um traço que os forasteiros freqüentemente acham forçado e desconcertante. Cada casa em Zahnstadt é brilhantemente pintada em uma mistura berrante de diferentes cores, muitas vezes conflitantes. Sua estalagem caseira, o Sol Imprevisível, é famosa por sua lareira sempre aquecida e pelas canções implacáveis ​​e alegres que ecoam pela noite dentro.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Deuses Elficos





Asuryan
Asuryan é o governante do Panteão Élfico e o marido da deusa Lileath. Ele é considerado o Grande Criador pelos Elfos e é o líder do Cadai e o e representante da Justiça e da Ordem. No alto de uma grande pirâmide no mais alto dos céus, Asuryan vigia o mundo sozinho e nunca foi visto pelos mortais. Como tal, suas representações em Ulthuan são sempre mascaradas, mas a mais comum é de uma Fênix.


Isha
Isha é a deusa da fertilidade, protetora da ordem natural e mãe da raça élfica. Ela é adorada pelos Elfos da Floresta do Velho Mundo como uma de suas divindades dominantes, embora outros Elfos orem para ela para ajudar a agricultura, para proteção durante o parto, ou para ajuda quando estão em lugares selvagens.


Kurnous
Kurnous é o deus da caça e o senhor dos lugares selvagens. Todos os Elfos o veneram, pois ele é o marido de Isha e o pai de sua raça, mas nenhum o faz mais do que os Elfos da Floresta, que acreditam que eles apenas existem e vivem porque Kurnous permite . Kurnous exige que um caçador nunca mate animais por esporte ou sem motivo, apenas animais ferozes ou aqueles cuja carne e couro são necessários para a sobrevivência. Violar esse credo é perigoso em todo o mundo, pois Kurnous é uma divindade vingativa.


Lileath
Lileath é a Deusa dos Sonhos e da Fortuna, adorada como parte de um triunvirato junto com Isha e Morai-heg. Ela é a patrona dos videntes e profetas, e é rezada por clareza, profecia e previsão, especialmente por um Elfo que enfrenta um grande desafio ou decisão difícil, ou que precisa de alguma boa sorte. A deusa também é conhecida por montar um cavalo celeste chamado Cindermane, que a carrega pelos céus.
  

Hoeth
Hoeth é o Deus do Conhecimento, Aprendizado e Sabedoria, e é o patrono dos magos e eruditos Élficos. Os elfos rezam para Hoeth quando enfrentam um dilema difícil ou um problema confuso, pois sua sabedoria pode ajudar a ver a verdade da questão. Os magos élficos também oram a Hoeth quando se preparam para um poderoso ritual mágico.


Ladrielle
Ladrielle, a Senhora das Brumas, é a protetora de todas as coisas que estão escondidas ou perdidas, e protetora dos viajantes. De acordo com as lendas, ela é a única deusa que anda no mundo mortal, e há histórias de que ela vem em auxílio dos que estão perdidos em meio às névoas de Yvresse ou no oceano sem rumo. Sua adoração é, portanto, efetuada apenas antes de viagens ou durante alguma busca ou por quem está perdido. O rosto de Ladrielle está sempre escondido por um véu, mas muitos elfos assumem que ela é a mais bela das deusas. Outros, no entanto, suspeitam que ela seja apenas um disfarce adotado por outra divindade, uma cujo verdadeiro aspecto está escondido atrás da seda cinzenta.


Loec
O patrono dos Guardiões Elfos da Floresta, Loec é o Deus da Enganação, Música e Festa. Loec é uma figura misteriosa porque seus seguidores guardam os segredos de seus ritos por trás de um véu de sigilo. Seus servos são ocasionalmente chamados de festeiros por sua participação nos grandes festivais, onde lideram a celebração e executam danças complexas que contam a história de Athel Loren.


Vaul
Vaul é o deus élfico dos ferreiros e o criador dos artefatos lendários usados pelos deuses e heróis do povo élfico. Ele não é adorado, mas muitos elfos artesões clamam seu nome quando precisam de inspiração para um trabalho.

Deuses Anões




Grungni
Grungni é o Deus Anão da Mineração e da Pedras e um dos três Deuses Ancestrais mais famosos. O mais importante de todos os Deuses Anões, foi ele quem primeiro a adentrar nas montanhas, extrair minérios e fundi-los em metal, o que ele ensinou aos anões. Desta forma, ele deu aos anões as ferramentas e os meios para se defenderem contra seus inimigos.

Dogmas:
-Sempre se esforçar para melhorar a reputação do clã por meio do trabalho bem feito
-Faça reparos em qualquer estrutura quando esta se tornar insegura.
-Nunca desperdice a generosidade mineral da terra.
-Nunca se renda a Goblins ou seus malditos  parentes.
-Nunca recuse uma oportunidade de recuperar uma fortaleza anã que tenha sido tomada.
-Nunca perca uma oportunidade de matar os Anões do Caos, já que sua existência traz desonra e vergonha à raça


 

Valaya
Valaya, Deusa Anã do Lar e da Cura, é a esposa de Grungni. Ela é a deusa da família, cura e cerveja, também é dito que ela é a fundadora de muitas fortalezas anãs (incluindo Karaz-a-Karak e Karak Alnir) e é tida como a protetora da raça anã.

Dogmas:
-Sempre forneça ajuda a um anão ferido ou doente.
-Sempre ajude um amigo anão em necessidade.
-Cuide e eduque bem os jovens.
-Sempre proteja seus companheiros, principalmente dos goblins.
-Nunca permita que uma cerveja caia nas mãos dos inimigos, a menos que isso poupe vidas de muitos Anões.
-Nunca venda ou distribua cerveja estragada.



 

Grimnir
Grimnir é o Deus Anão da Guerra e o patrono do Culto dos Slayers. Grimnir é um dos principais Deuses Ancestrais dos Anões ao lado de Grungni (irmão de Grimnir) e Valaya (esposa de Grungni). Ele personifica a destemida coragem e destemor da raça anã.

Dogmas:
-Sempre defenda as fortalezas anãs.
-Permaneça firme, nunca fraqueje ou fuja da batalha.
-Sempre ajude um companheiro de armas caído.
-Não existe misericórdia para os inimigos dos anões.
-Mate o maior número possível de inimigos.





Gazul
Gazul, Lorde do Submundo é um Deus Ancestral Menor e o protetor anão dos mortos, Filho mais novo de Grungni e Valaya.
 
Dogmas:
-Sempre se oponha aos profanadores dos mortos, especialmente os necromantes.
-Nunca se recuse a realizar rituais funerários para aqueles que perecem.
-Nunca entre ou perturbe um local de enterro que tenha sido abençoado.




Tungni
Thungni é o deus ancestral dos rúnicos, Filho do meio de Grungni e Valaya.

 Dogmas:
-Nunca revele os segredos da magia rúnica a não ser um outro rúnico.
-Nunca permita que uma arma rúnica caia nas mãos de qualquer inimigo, mesmo que ela deva ser destruída.
-Recupere as armas rúnicas perdidas e as devolva aos cofres anões.




Morgrim
Morgrim é o deus ancestral dos engenheiros, o Filho mais velho de Grungni e Valaya.
 
Dogmas:
-Qualquer pessoa que roubar ou vender de forma desonesta os segredos de engenharia devem ser levada à justiça dos anões, de acordo com a lei dos anões.
-A Engenhoca deve ser mantida no seu mais alto nível. O trabalho de má qualidade é imperdoável e desonroso.
-Invenções descontroladas ou perigosas não devem ser empreendidas.
-Todo conhecimento é sagrado e deve ser preservado, mesmo à custa de novas idéias.



O Anão Branco
O anão branco é o lendário anão conhecido como Grombrindal, que significa aproximadamente "o antepassado de barba branca". Ao longo dos séculos, ele recebeu vários nomes, mas este é aquele pelo qual ele é mais conhecido. Pouco se sabe sobre ele, até mesmos os anões mais antigos dizem não saber muito. Tudo o que os anões tem certeza é de que sempre que a raça dos anões corre grande perigo, ele vem ao seu auxilio.